Anos se passaram e poucas pessoas pararam para assistir The Longest Week. Me incluo nessa lista, sendo que ele passou longe dos radares críticos e até midiáticos. Mas o ponto em questão é o seguinte: Vale a pena?

O longa narra a historia de Conrad Valmont (Jason Bateman), um multimilionário que mora a custas de seus pais em um luxuoso hotel. Decorrente do divórcio de deus país, Conrad é expulso do hotel sem nada, mas nada mesmo. Apenas com seu orgulho e um humor um tanto quanto sarcástico. Sem contar suas inúmeras tentativas de escrever seu livro.

Devido à situação complicada, ele busca ajuda na casa de seu velho amigo Dylan (Billy Crudup), mas eis o grande epicentro problemático do filme. O clássico triângulo amoroso, mas certamente diferente dos padrões do cinema.

Beatrice (Olívia Wilde) é a mulher dos sonhos de Dylan, mas Conrad um bohemio cheio de mulheres e um tanto quanto encantador, já havia conhecido ela, e esse é um detalhe importante para o desenrolar da história.

O filme basicamente vai tratar a maneira que Conrad se safará da situação em meio da paixão, e claramente às custas de seu amigo. Conflitos aqui e ali, o grande problema é seu existencialismo e a sua importância ao mundo. Conrad está volte e meia consultando seu psicologo e perguntando sua utilidade, seu gosto para mulheres e se Beatrice é a mulher que ele realmente deseja. Até então esse amor estava por cegá-lo, mas era tão bom é reconfortante que tudo isso não importava mais.

large-screenshot3

Posted by:Victor Hugo

Just a mad man with a box.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s