Ela não é a ruiva do Soulstripper. Talvez seja a Ivy de Frank Ocean e Natasha do Capital, pode ser também a Marília de Dirceu, do arcadismo. Mas ela é a letra marcante de New Order com a melodia calma de Los Hermanos. 

Mas, sem sombra de dúvidas, ela é o tom alaranjado mais bonito e marcante que já vi em toda minha vida. No sol, ela é o brilho que ilumina todo o lugar. É o fogo da alma que me aquece e queima nas madrugadas frias de agosto, sob seus olhos sublimes de cílios grandes. 

É a tinta vermelha que colore minha pele pálida de paixão e meus olhos castanhos de luxúria. É a cor que eu pintaria todos os quadros do meu museu pessoal. 

Ela é a arte que não sabe que é arte.

Queria eu ter o poder de poder-lhe emprestar meus olhos, para que assim, ela pudesse saber como fica linda quando dança fora do ritmo; que seu tom de ruivo ainda apaixonará muitos outros corações e que, quando ela desenha na vida suas linhas tortas e poéticas, nem um grego perfeccionista chega perto de tamanha perfeição. 

A ruiva que ainda irá conquistar a muitos com essa alma incandescente que tanto me cativou.

Posted by:Malu Reining

uma nada extraordinária garota

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s