Morada.
substantivo feminino

  1. casa ou lugar em que se habita; moradia, moradio.
  2. período em que se permanece domiciliado em algum local; permanência.

“durante a sua m. em Portugal, conheceu várias pessoas interessantes”

  1. o endereço de residência.

“escreveu a m. no envelope e entregou-o ao portador”

  1. ext.(da acp. 1) local onde se encontra habitualmente determinada coisa.

“aquele jardim era a m. dos girassóis”

Do latim, morata.

  1. Eu quero te fazer de moradia, permanecer e não passar apenas um período. Quero ter o endereço da tua residência gravada na ponta dos dedos e habitar todas as artérias do teu coração.
    Quero que sejamos morada, e não apenas uma passagem num quarto de aluguel.

Teu corpo que me faz de casa e se aloja por todos meus ossos, mastigando-me com seus olhos castanhos todo meu juízo e devorando minha derme com sua boca salgada do sal do teu mar, onde me perco por horas nadando nas ondas de teus cabelos castanhos que me levam até mares tão profundos quanto seus suspiros debaixo de meu corpo pequeno.

Que ela me faça de casa, apartamento ou puxadinho, mas que permaneça debaixo do céu da minha boca até nas noites mais quentes de verão; que me mobílie com tua paixão, desejo e afeto e que eu seja seu lar nas noites frias de inverno, quando tudo lá fora é só cinza e caos, mas que, aqui dentro de mim, seja só girassóis e tuas cores favoritas. Teu lugar favorito. Mas não vai embora pela manhã, não, fica mais um pouquinho. Lê mais um livro para mim, conta do teu dia, passa mais um café. Mas fica aqui, me faz de refúgio. De morada.

Teu refúgio, tua moradia.

Onde você não precise de chave para entrar, só abrir a porta e eu estarei ali, pronta para te receber de coração aberto e uma xícara quente do teu chá favorito. Com açúcar ou com adoçante, tu que decide. Mas fica aqui comigo, só por mais essa xícara.

Morada.

Eu quero ser para ti o que nunca foram para mim.

Pode me ocupar, mas deixa eu te ocupar também. Com muito amor, cuidado e um jardim para a gente cuidar quando os dias não forem tão bonitos aqui dentro. Nem tudo são flores. Mas com você aqui, me habitando, prometo ser casa, ser jardim. Ser tua.

Posted by:Malu Reining

uma nada extraordinária garota

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s