O doce que era te amar

Eu nunca vou te entender. E, talvez, isso seja a razão para esta carta. Entender esse seu vício descontrolado em canela e essa mania chata de ter que colocar em tudo o que comíamos, deixando por toda minha pele esse cheiro inebriante que saía de suas mãos enquanto me beijava. E eu fingia que não…

Ler mais

Ensaio sobre a saudade 

Te pintei um quadro, dancei tango pela cozinha enquanto cozinhava seu prato favorito e aguei as plantas da janela. Fiz chá, ouvi Bauhaus e maratonei Lars von Trier. Gravei uma mixtape clichê para você, tentei bordar e comprei cigarros franceses pela internet. Arrumei meus livros por ordem alfabética e tirei o pó dos móveis.  Sentei…

Ler mais

A ruiva

Ela não é a ruiva do Soulstripper. Talvez seja a Ivy de Frank Ocean e Natasha do Capital, pode ser também a Marília de Dirceu, do arcadismo. Mas ela é a letra marcante de New Order com a melodia calma de Los Hermanos.  Mas, sem sombra de dúvidas, ela é o tom alaranjado mais bonito…

Ler mais